Monthly Archives

maio 2017

Slide1
Comportamento, Geral, Reflexão

ESPERANÇA

Vivemos um momento tenso no Brasil. Não sabemos como isso vai terminar…

Tenho ouvido muitas pessoas desesperançadas com o destino de nosso país. De fato a situação é um tanto desanimadora. É muita corrupção, muito dinheiro envolvido, muita indignação.

Tenho, por força de minha formação, o hábito de procurar algo de bom em cada situação. Pelo menos um aprendizado.

Conversando com um amigo ele me fez ver um outro lado disso tudo. A corrupção existe no Brasil desde sua fundação. Ela é algo cultural até. O nosso famoso jeitinho muitas vezes leva à isso. Talvez em outra proporção, mas é só isso, uma questão de proporção.

Mas pela primeira vez essa ferida está sendo aberta. Estamos olhando para ela de frente e nos assustamos com o que vemos. Ela é maior e muito mais profunda do que nossa imaginação nos fazia crer.

E pela primeira vez estamos tratando essa ferida. Começamos a limpá-la. Esse processo não será fácil, afinal ela ficou sem cuidados por muito tempo. A infecção tentará voltar. Será preciso redobrado cuidado. Outras lesões poderão ser encontradas.

No entanto, o mais importante está sendo feito: começamos a enfrentar a situação. Isso nunca tinha sido feito antes. E, usando a mesma metáfora, ainda que saibamos que o tratamento é longo e doloroso, é preciso ter renovada a cada dia a esperança da cura.

A nós brasileiros, não diretamente ligados ao tratamento, nos cabe uma tarefa: mudar. Abandonar o hábito do jeitinho e abraçar a ética como princípio de vida em sociedade. Porque por melhor que sejam os tratamentos, se os hábitos permanecerem os mesmos, tudo voltará a ser como antes.

Vi esses dias uma palestra do TED em que Matt Cutts (https://www.ted.com/talks/matt_cutts_try_something_new_for_30_days) conta sua experiência de tentar algo novo por 30 dias. Pois é exatamente isso que proponho a todos nós brasileiros. Vamos tentar mudar uma atitude por 30 dias. Passar 30 dias sem usar o celular enquanto dirigimos, por exemplo. Ou não sentar no lugar do idoso no ônibus.

Porque, afinal, somos todos responsáveis por transformar o Brasil no país que queremos.

 

Amor maior do mundo
Comportamento, Geral, Reflexão

AMOR MAIOR DO MUNDO

Quero falar de amor. Quero falar do amor que pais e mães sentem por seus filhos. Esse é o amor maior do mundo, capaz de entrega, dedicação, sacrifício…, mas acima de tudo um amor incondicional. Pelo menos deveria ser.

Amor incondicional é aquele que permanece apesar dos erros, das decepções. A criança, e o adolescente também, precisa ter essa certeza. A certeza que não importa o que aconteça esse amor está assegurado. Não é um amor se. Se você tirar boas notas, se você obedecer, se você se comportar, se…

Amar incondicionalmente não significa aceitar tudo ou concordar com tudo. Pelo contrário. O que a criança e o adolescente precisam é de um amor que dá limite, que pontua os erros, que briga, mas que não se abala com isso. É incondicional exatamente por isso. Aguenta as decepções e frustrações e permanece firme.

Amar incondicionalmente tampouco significa que os pais não terão momentos em que sentirão raiva, que terão vontade de gritar, de sumir ou de desistir, momentos de cansaço e desânimo. Afinal, antes de serem pais, são seres humanos. São só momentos. O amor incondicional dilui isso ao menor sorriso, ou lágrima.

No entanto, percebo, no meu dia-a-dia do consultório e como professora, que muitos pais confundem esse amor incondicional com colocar o filho como prioridade absoluta em suas vidas, para sempre. Não creio que esse seja o melhor caminho. A pessoa mais importante de nossas vidas, somos nós mesmos. É importante que os pais cuidem-se, priorizem-se em vários momentos por alguns motivos.

Pais são modelos, muito mais por ações do que por palavras, e é importante ensinar os filhos que é importante cuidar de si, colocar-se como prioridade.

Entendam que colocar-se como prioridade não significa egoísmo ou ignorar o outro, mas é ter um limite de até onde se vai pelo outro, do quanto se abre mão pelo outro. Porque é muito difícil dar quando se está esvaziado. E se não nos priorizamos é isso que acaba por acontecer. Escolhendo sempre o outro, acabamos por não nos nutrir e nos esvaziamos. Pais infelizes não são os melhores pais.

E por fim, mas não menos importante, porque se fazemos tamanho “sacrifício” acabamos por apresentar a conta em algum momento. E essa conta é impagável.

Ame seus filhos! Ame-os incondicionalmente!! Mas ame-se primeiro. Vocês e seus filhos merecem isso.

 

Slide1
Comportamento, Geral, Reflexão

CRIANÇA PRECISA BRINCAR!

Nada é por acaso. Queria escrever sobre crianças e a escola. Hoje quando fui ler o jornal me deparo com uma reportagem que fala de alguns mitos sobre o cérebro e aprendizagem. Foi muito bom ver que algumas das minhas crenças têm fundamento.

Um dos mitos de que o artigo fala é o de que quanto mais tempo na escola, maior é a aprendizagem. Falso. Quantidade não é qualidade!

Na minha prática profissional, atendendo crianças, sempre me incomodou a quantidade de horas envolvidas em estudos, seja na escola, seja em aulas extras. Outra coisa que sempre me choca é a quantidade de lição de casa que as crianças têm. Sem falar no peso das mochilas!!! E isso desde a Educação Infantil (só piora com o passar dos anos).

Criança precisa brincar! Precisa explorar e ter contato com o maior número e as mais variadas experiências. Ela é curiosa por natureza. Quer saber, quer experimentar, quer conhecer. E usa o seu corpo para isso. Precisa tocar, mexer, ouvir, ver, sentir. Ela aprende brincando, experimentando.

Os pais e a escola preocupados com o futuro acreditam que o quanto antes elas aprenderem a ler e escrever, souberem outro idioma, forem excelentes em matemática, etc., mais chances terão de sucesso no mercado de trabalho. Expõem a criança ao stress de que tanto reclamam. Justamente ao contrário.

Aprender, ao longo dos anos, vai se tornando uma coisa chata, piorando cada vez mais conforme a criança avança na escola. Dou aula de graduação e pós-graduação e é muito triste ver que os alunos não querem aprender, não são curiosos, não me desafiam como professora. Eles só querem tirar uma nota e passar. Um profissional que não gosta de aprender, que não se atualiza sempre, não é o que o mercado busca.

Fui ler um pouco mais sobre o assunto e num artigo na Universidade de Barcelona é reforçado o papel das emoções na aprendizagem. Quanto mais prazer, quanto mais alegres nos sentimos ao aprender, mais facilmente os conteúdos serão retidos e mais motivados estaremos para continuar a aprender.

Além de brincar a criança precisa de um tempo sem fazer nada, ocioso. Mas numa agenda lotada isso não é possível.

No artigo da semana passada falei que estamos encurtando a infância. A pressão por uma aprendizagem precoce, desvinculada dos interesses da criança, sem alegria tem contribuído para isso.

A infância é um pequeno período de nossas vidas. Ela deve ser vivida intensamente. É nela que se constrói a base que vai sustentar todo o restante. Portanto, deve ser respeitada, cuidada e protegida.

 

 

Slide1
Comportamento, Geral, Reflexão

SINAL DOS TEMPOS

A revista Veja desta semana tenta responder a pergunta: Conexão faz mal a saúde? Algumas pesquisas, segundo a revista, indicam que o uso da tecnologia acentua alguns problemas em jovens.

Essa é uma dúvida recorrente no consultório. O quanto os filhos podem ou não ficar conectados, se jogos de videogame são ruins e deveriam ser proibidos, a dificuldade de dar limite aos adolescentes no uso das redes sociais, etc.

Acredito que a maioria das coisas não são por si só nocivas. O uso que nós fazemos delas é que pode ser, e muito.

Existem vários jogos de videogame que são interessantes e divertidos. O que não pode é permitir que a criança fique horas a fio jogando. Ela precisa de uma multiplicidade de experiências para se desenvolver de forma saudável. Precisa brincar ao ar livre, jogar bola, faz de conta, jogos em grupo, etc. Precisa também um tempo para não fazer nada, ficar ociosa. Todas essas atividades contribuem para o seu desenvolvimento.

Isso é cada vez mais difícil. A agenda dos pequenos é cheia de uma infinidade de compromissos e o volume de lição de casa sempre me espanta. As crianças têm cada vez menos tempo de viver a infância. Além disso uma criança vidrada na tela do celular, tablete ou outro é uma criança entretida, que não pergunta, não incomoda, não atrapalha…

As redes sociais estão aí e não há como impedir um jovem de acessar o facebook, snap, instagram, whatsapp, etc. O importante é orientar o filho sobre o uso excessivo, sobre os riscos que ele corre, e ter acesso ao que ele posta e vê. Limite também é importante. Respeitar a hora das refeições, por exemplo.

Para isso, no entanto, é preciso que os pais deem o exemplo. Como exigir dos filhos um controle se o pai passa boa parte do seu tempo em casa jogando, ou se a mãe não fica longe do celular um instante?

Isso também é difícil. Refeição em família? Cada dia mais raro. Ocupar-se dos filhos, estar atento ao que eles veem, aonde vão, às suas companhias parece não ser mais importante. Percebo os jovens cada vez mais soltos. É preocupante. É importante que pais e filhos conectem-se uns aos outros, não através de aparelhos, mas ao vivo e a cores, partilhando de momentos juntos.

Tem sido dada às crianças e aos adolescentes uma liberdade precipitada sem responsabilidades em contrapartida. Assumem escolhas cada vez mais precocemente, sem necessariamente estarem preparados para isso.

É uma pena, porque estamos encurtando a infância, antecipando a adolescência, acelerando as coisas e depois tentamos retardar a velhice. Não seria melhor se pudéssemos viver plenamente cada uma das fases da vida, em toda sua riqueza e plenitude?