Monthly Archives

agosto 2017

Slide1
Comportamento, Geral, Reflexão

TODAS AS CORES SÃO BELAS!

A ideia para esse artigo me veio a umas duas semanas. Comecei a escrever, mas achei que não estava conseguindo expressar o que queria e deixei a ideia de lado. Hoje, enquanto passeava com meus cachorros, a ideia voltou a rondar a minha cabeça e decidi escrever.

Muitas vezes afirmamos que queremos algo, mas nossas ações parecem querer outra coisa. Essa ambivalência que começa no indivíduo chega até a escola.

Um paciente, que ainda não completou cinco anos, já “aprendeu” que os telhados das casas devem ser marrons, e que é preciso pintar sempre dentro dos espaços. Eu entendo a importância da coordenação motora para o aprendizado da escrita e que pintar dentro de um espaço limitado nos dá notícias que a criança está evoluindo em sua coordenação e controle motor. Existem uma série de exercícios e atividades que podem ser feitas para ajudar as crianças a se desenvolverem nesse aspecto.

O que me incomoda é padronizar tudo. Ensinamos o que é correto, como devem ser as coisas, segundo a ótica do adulto, desde muito cedo. Por que os telhados não podem ser coloridos? Por que a grama não pode ser azul? Por que eu tenho que pintar exatamente da cor que vejo e não da cor que imagino, que sinto, que me agrada? Se isso não fosse possível não teríamos a beleza dos quadros impressionistas.

O paradoxo maior é que treinamos as crianças para o padrão, mas quando elas crescem queremos que aprendam a aceitar a diversidade!! Queremos que olhem com naturalidade e aceitem as diferenças raciais, religiosas, de orientação sexual…, mas não queremos que meninos brinquem de boneca ou meninas de carrinho de rolimã!

Por vezes fui chamada a uma escola para falar sobre um paciente adolescente que apresenta alguns comportamentos “esquisitos”, diferentes da média. Insistiam em enquadrá-lo em uma patologia, solicitavam um diagnóstico, pois assim poderiam falar com a turma, explicar o porquê dos comportamentos e eles parariam com as gozações e bullying com o menino. Como assim?! Não gozar dos colegas, pregar peças constrangedoras, fazer bullying com um colega deveria ser norma, independentemente de uma patologia ou não. A diferença só pode ser aceita quando justificada por um diagnóstico médico? Se for assim como vou diagnosticar uma diferença de crença religiosa? Ou de raça?

Precisamos ficar atentos porque nosso discurso está muito distante de nossa prática. Se queremos um mundo melhor, menos preconceituoso no futuro temos que começar a ensinar hoje as crianças que diferente é só diferente, não é menos, não é mais, não é certo e não é errado. Sendo a escola o primeiro espaço de socialização, ela tem um papel fundamental nesse assunto.

Embora desejada, essa tarefa é complexa, pois a maioria dos agentes participantes da escola carregam dentro de si preconceitos. Despir-se deles é preciso, o quanto antes.

Que o sol possa ser cor-de-rosa, os telhados azuis e cada um aceito do jeito que é.