Monthly Archives

março 2018

Slide1
Comportamento, Geral, Reflexão

COMO FOI SEU DIA HOJE?

Li um post no facebook essa semana sugerindo uma série de perguntas alternativas ao clássico: “Como foi na escola hoje?”.

Perguntas diferentes como:

O que te fez sorrir hoje?

Qual foi o ponto mais alto do seu dia? E o mais baixo?

Achei bem interessante…

Mas pensei que uma boa conversa é uma troca, uma partilha.

Muitos adultos, pais, tentam poupar os filhos das dificuldades do dia-a-dia, e isso está certo. Não adianta apresentar a eles problemas que eles não têm, ainda, condições de compreender plenamente e, muito menos, de ajudar a resolver.

No entanto, acredito que é importante que eles saibam como é o dia-a-dia de trabalho dos pais. Que num determinado dia estão felizes porque fecharam um novo contrato, tiveram um projeto aprovado, receberam um reconhecimento do chefe ou dos colegas. Que em outro estão preocupados porque algo não saiu como esperavam, porque um colega está com problemas e não foi trabalhar.. Ou que noutro dia estão irritados porque um fornecedor perdeu o prazo, um cliente não pagou, etc.

Isso dá às crianças a perspectiva de que na vida existem dias bons, dias médios e dias não tão bons. Que isso faz parte, é natural.

Quando partilham esses momentos com os filhos, com algum filtro para que a realidade seja compreensível para eles, podem ensinar como lidar não só com as situações, mas, acima de tudo, com as emoções.

As crianças precisam aprender que os adultos sentem raiva às vezes, que ficam chateados, frustrados, felizes, orgulhosos assim como eles. Aprender que sentir orgulho pelo resultado dos esforços é bom, mas não dá o direito de contar vantagem sobre o colega. Que ficar frustrado é chato, dolorido até, mas que ficar se lamentando não resolve. Que o importante é aprender e fazer uma escolha: buscar outras formas de conseguir o que se quer, se preparar melhor; ou deixar para lá se a questão não é tão importante. Que a raiva é muito natural, que todos sentem raiva, mas que isso não dá direito a sermos grosseiros com os outros, que existem outras formas de lidar com ela. Que se estão felizes isso pode, e deve, ser partilhado com os amigos.

Mas o que de mais importante pode ser partilhado nesse momento é o sentimento de que, apesar de alguns percalços, trabalhar/produzir, assim como estudar/aprender, é algo bom, que traz satisfação, realização, que tem um propósito!

Porque uma das coisas mais tristes de hoje é ver as crianças começarem a vida escolar cheias de energia, sede de aprendizado, plenas de alegria e irem aos poucos “murchando”, perdendo o prazer… O mesmo que acontece com o adulto no trabalho.

Passamos grande parte da nossa vida ou na escola, ou no trabalho e se não encontramos em ambos um significado, um prazer, um propósito tornamos a vida sem sentido, aborrecida, sem cor.

Vamos aproveitar o trecho entre a escola e a casa, a hora de dormir, a refeição para partilhar experiências e aprendizados, para compartilhar a vida, fortalecer os vínculos, semear as cores que vão dar o tom da existência. Porque como foi o seu dia hoje é parte de como será sua vida amanhã.

 

Slide1
Análise Corporal da Relação, Comportamento, Geral, Reflexão

5 MINUTOS

Não escrevo já faz algum tempo…

É sobre o tempo que quero escrever.

Aproveitei que o dia está lindo, sol, e vim até o jardim do meu edifício junto com meus cachorros para escrever. Eles ficam soltos, aproveitam para brincar e correr e eu escrevo.

A inspiração não vinha e a Princesa queria brincar! Larguei tudo e fui correr com ela enquanto o Moringa, já um senhor, nos observava.

Corremos uns 5 minutos. Que delícia que é vê-la correndo!

Foi daí que me veio a inspiração.

A grande queixa dos nossos tempos é a falta de tempo. Além do trabalho, de todas as atividades, ainda tempos as inúmeras redes sociais para acompanhar, postar, etc.

Muitas vezes ouvi que tempo é uma questão de preferência.

Não sei se preferência, mas de escolha. Escolher aquilo que é mais importante e ao que vamos dedicar o nosso tempo.

Tempo é o nosso bem mais precioso. Temos uma quantidade finita de tempo e ninguém sabe quanto tem. É justamente por isso que ele deve ser bem empregado.

A dificuldade que temos com a escolha, e não só em relação ao tempo, é que para cada escolha são inúmeras a renúncias que fazemos. Se escolho brincar com meu cachorro, esse é um tempo que não dedico ao Facebook, ao Instagram, ao Whatsapp. É um tempo que não leio, não escrevo, não produzo.

Foram 5 minutos. Ela ficou feliz, eu fiquei feliz! Hoje a noite quando for escrever no meu diário de gratidão, com certeza escreverei sobre esse momento. Não vou escrever sobre o que li e escrevi nas redes sociais ou sobre o que vi na televisão.

Acredito que precisamos pensar um pouco mais sobre nossas escolhas. Precisamos fazer escolhas mais sábias, baseadas no que é realmente importante para nós e não aquilo que é importante para os outros. Precisamos fazer isso já e não quando o tempo tiver passado e momentos preciosos tenham sido perdidos. O tempo que passou não volta.

Pense nisso quando seu filho pedir para você ler uma história, brincar um pouco.

Pense nisso quando seus pais quiserem conversar, contar novamente a mesma história.

Pense nisso quando um amigo quiser tomar um café.

Pense nisso quando seu amor quiser mais um beijo ou demorar-se um pouco mais num abraço.

5 minutos talvez sejam suficientes e vão fazer um grande diferença.

Pense nas boas memórias que você tem. Quantas delas são de um instante, de um momento, de 5 minutos…

Não importa o que você faça o tempo não para. Escolha bem.

Você tem 5 minutos!